Sonhando e vivendo Boas Novas

A Boas Novas acaba de completar 26 anos. Seu ministério é o mais nobre de todos: transmitir as boas novas do Evangelho de Cristo a milhões de pessoas em todo o Brasil, o que tem feito com dedicação, fé e denodo. Houve um tempo em que muitos consideravam impossível uma igreja possuir tão poderoso meio de comunicação. E era. Até que Deus resolveu mudar essa história. Lembro-me de como tudo aconteceu.
Era o dia 1º de janeiro de 1993, quando os membros da Assembléia de Deus no Amazonas se reuniram para comemorar seus 75 anos de fundação no local Canaã, ao ar livre, que essa história começou a se delinear. Naquela tarde, sob o sol amazônico causticante, todos os crentes dobraram os joelhos no asfalto para apresentarem a Deus um alvo: a aquisição de uma rádio para a igreja.
Naquele momento, não havia ainda nenhuma emissora em vista, nem mesmo alguma disponível na cidade. E penso que nem a igreja estava preparada para o que Deus estava para fazer. Todavia, os irmãos curvaram os joelhos e suplicaram o milagre divino, crendo no que a Bíblia diz: que Deus “é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós” (Ef 3.20). E foi exatamente isso que Deus fez: em vez de uma emissora de rádio, Ele nos deu uma grande rede de comunicação, que a batizamos de Boas Novas.
Ainda nos primórdios de nossa Igreja, o pioneiro Gunnar Vingren, quando viajava de navio de volta à Suécia, em agosto de 1932, nas proximidades da região amazônica, escreveu em seu diário: “Esta noite, tive, pela primeira vez durante a viagem, um sono reparador. Hoje passamos pela linha do Equador, a mil e setecentas milhas do Rio de Janeiro. Oh! Desejaria que pudéssemos ter a força das estações de rádio, para que o mundo pudesse ouvir a voz de Deus! Deus, dá-me esta graça.”
 O desejo do coração de Gunnar Vingren, expresso nesta oração silenciosa, certamente reconhecia não somente a sua fraqueza, mas também que Deus poderia usar a abrangência da comunicação que o rádio possibilitaria.
Gunnar Vingren foi um dos primeiros a reconhecer o potencial do rádio para a evangelização mundial. De acordo com os desígnios divinos, poucos meses depois, Gunnar Vingren foi chamado ao descanso eterno, sem, contudo, ter visto o cumprimento do seu sonho.
Qual não seria a surpresa de Vingren se ele pudesse ter testemunhado que seu sonho e oração tiveram um cabal cumprimento com a Boas Novas! Pois foi exatamente aqui, na linha do Equador, que as lideranças das Assembléias de Deus em Manaus, e depois em Belém, começaram, há 26 anos, a realização deste sonho. Deus, porém, segundo a Sua riqueza em glória, deu muito mais que o desejado por Vingren, e bem mais do que pedimos ajoelhados naquela oração.
Pela graça de Deus, a Boas Novas, que era apenas um sonho distante, gestado com orações, lutas e lágrimas, pode contar sua rica história de bênçãos, fazendo agora “26 anos transmitindo Jesus”. Sonhamos Boas Novas. Agora, vivemos Boas Novas. Do mesmo modo que a Assembléia de Deus, que começou com dois missionários e poucos membros, se tornou a maior denominação evangélica do Brasil, a bênção do Senhor tornou a Boas Novas a maior rede de rádio e televisão evangélica brasileira. Somente a Deus pertence esta glória!
Agradeço a todos os missionários mantenedores da Boas Novas. Parabenizo a todos os que sonharam e oraram, aos que têm se esforçado em ajudar na realização dessa grande obra para a glória e louvor de Deus. Parabenizo especialmente ao amado pastor Firmino Gouveia, fiel companheiro na realização deste sonho, pelo seu aniversário de 94 anos de vida. Longa vida e muitas bênçãos !
Samuel Câmara
Pastor da Assembleia de Deus em Belém

Deixe um comentário