O que se ganha por guardar os Mandamentos?

Jesus falava por parábolas. E hoje, eu também o farei. Certo homem “importante” se gabava de como tinha conseguido “quase tudo” na vida. Ele se jactava sobre sua vida, seus casos amorosos, o dinheiro que havia ganhado por levar vantagem em tudo e sobre todos (inclusive oriundo de corrupção, mas isso ele não falou), afirmando que só cria na vida aqui e agora. O negócio dele era ficar rico, não importando o preço a pagar, desde que gozasse dos prazeres “proibidos” e se desse bem na vida.

De repente parou, quando um colega seu passava, e mudou de assunto: “Estão vendo aquele homem? Ele é sério e honrado, vive com a mulher e não tem amante. Mas ele é pobre, e ainda diz que é honesto. É religioso e se diz obediente aos mandamentos de Deus. Ora essa, quando morrermos, todos nós iremos para o mesmo lugar. Lá em cima, eu vou morrer de rir dele, pois não viveu a vida. Ora, quem consegue guardar os mandamentos de Deus? E o que ele ganhou com isso? E cantarolou: “Besta és tu! Besta és tu! Besta és tu! Besta és tu! Não viver nesse mundo. Besta és tu! Besta és tu!… Se não há outro mundo… Porque não viver? Besta és tu.”

Geralmente, gente prepotente como esse homem “importante” só floresce e aparece quando campeia a impunidade; quando todos são iguais perante a lei, mas desiguais diante do juiz; quando a justiça é fraca, e o direito, torcido; quando o sistema conspira para amparar os poderosos, a despeito de seus delitos.

Todavia, essa questão de se vale a pena ou não guardar os mandamentos de Deus é bem antiga. Há cerca de três mil anos, foi levantada por um personagem real, um homem chamado Asafe, embora com motivação totalmente diferente da anterior. Era um homem íntegro e respeitado, o segundo maior salmista depois do rei Davi, tendo composto doze salmos na Bíblia. Não obstante crer firmemente na bondade de Deus para com Seus filhos, Asafe confessa que chegou a ter tanta inveja dos soberbos, por causa da prosperidade dos ímpios, que ele quase se desviou dos caminhos de Deus. “Quase se resvalaram os meus pés” — ele bradou.

Esses ímpios achavam que Deus não se importava, e diziam: “Como sabe Deus? Acaso, há conhecimento no Altíssimo?” (Leia o Salmo 73.)

Asafe ficou tão perturbado que chegou a pensar que de nada importava purificar o coração e lavar as mãos na inocência. “Besta és tu” – eis uma expressão que lhe cairia bem nessa hora! Sua preocupação era legítima, mas mal focada. Tal como a das pessoas que vivem com seriedade diante de Deus, mas que, em razão de verem tanta coisa errada, acabam se desanimando pelo caminho.

Então, atribulado, Asafe tratou com Deus sobre o assunto. Quando ele entrou “no santuário de Deus”, então atinou “com o fim deles”, e disse: “Tu certamente os pões em lugares escorregadios e os fazes cair na destruição”. Ele também entendeu que valia a pena guardar os mandamentos de Deus, e afirmou o seu destino: “Tu me guias com o teu conselho e depois me recebes na glória”.

De fato, o destino dos que se banqueteiam em iniquidade e se locupletam na corrupção, desdenhando dos mandamentos de Deus, será a perdição eterna. Espero sinceramente que ainda dê tempo de os “poderosos” corruptos se arrependerem, acertarem as contas com a Justiça, e clamarem pela misericórdia de Deus, não necessariamente nessa ordem.

Firme o coração nestas sete promessas de Jesus que identificam as vantagens temporais e eternas de quem guarda os mandamentos de Deus:

JESUS SE MANIFESTARÁ A ELE. “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele” (Jo 14.21). Que grande privilégio, Jesus vir ao nosso encontro e se fazer conhecido!

RESISTIRÁ ÀS TEMPESTADES DA VIDA. “Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha” (Mt 7.24-25). Lembre-se que a mesma tempestade vem contra os desobedientes, sendo grande a sua ruína.

SERÁ MORADA DE DEUS. “Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada” (Jo 14.23). Que bênção maravilhosa ser habitação de Deus!

PERMANECERÁ NO AMOR DE CRISTO. “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; assim como também eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e no seu amor permaneço” (Jo 15.10). é o amor de Deus que nos faz enxergar e viver a vida de modo altruísta e produtivo!

SERÁ AMIGO DE JESUS. “Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando” (Jo 15.14). Ninguém jamais terá um amigo melhor!

SERÁ CONSIDERADO GRANDE. “Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus” (Mt 5.19). É aqui que se descobre que ser grande não tem a ver com política, nem bravatas ou corrupção.

ENTRARÁ NA VIDA ETERNA. “Bom só existe um (que é Deus). Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos” (Mt 19.17). Deus fez o mundo para funcionar sob Suas leis. Feliz quem observa isto em sua vida! A vida eterna o espera!

Desse modo, qual a vantagem dos ímpios? Nenhuma! Tudo o que construírem virará cinzas, inclusive eles. E o que eu ganho por guardar os mandamentos de Deus? Além de viver na bênção de Deus e em paz com a minha consciência aqui na Terra, estarei com Ele em glória por toda a eternidade no Céu.

Alguém pode chamar um cristão fiel de “besta”, pelo fato de ser um amante dos mandamentos de Deus, em viver por sua obediência, pautando sua vida e comportamento neles. Mas ainda, se alguém insistir, restaria dizer: Besta, eu? “Besta é tu”, se descuidares de que vale a pena guardar os mandamentos de Deus!

Samuel Câmara
Pastor da Assembleia de Deus em Belém

E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

Deixe um comentário